Duelos modernos

Resultado de imagem para disputas

Ao ler na codificação sobre duelo, sentimos ser um tema inquietante para a humanidade contemporânea à Kardec, porém nos equivocamos sobre maneira neste tópico, já que a problemática pode até ser menos explícita que no século XIX mas ainda impera infelizmente nos dias atuais. 
Quando nos encontramos feridos, ofendidos em nossa honra, exigimos reparação, seja verbalmente quando integrantes em uma discussão, seja por pensamento quando desejamos o mal para nossos hipotéticos adversários, ou mesmo ao arquitetar pequenas ou grandes vingança, e nesta última reflexão está bem clara a concepção de duelo. No período em que Kardec organizou a codificação os duelos eram aceitos como forma de reparadar a honra, o pretenso ofendido ia até o ofensor e o desafiava para uma espécie de combate, eram definidas as armas, e ao fim da contenda um estaria morto, mas todo o processo era abertamente divulgado. 
Quantos duelos velados temos atualmente!? Onde algumas vezes o ofensor nem se apercebeu de ter cometido a ofensa e sofre represália sem se quer se dar conta de todo o processo que gerou de mágoa. Hoje o duelo não é aceito pela sociedade, como regra civil, todavia inúmeros são os que falecem em um contexto de vingança, de revanchismo imaturo e inconsequente, em brigas de trânsito, no trabalho ou na própria família!
Os espíritos são objetivos a respeito do assunto tratado assim ao responder a Kardec:    

Questão 757 LE – Pode-se considerar o duelo como um caso de legítima defesa?
– Não; é um assassínio e um costume absurdo, digno dos bárbaros. Com uma civilização mais adiantada e mais moral, o homem compreenderá que o duelo é tão ridículo quanto os combates que outrora se consideravam como o juízo de Deus.

Nada justificará a falta de amor com nossos irmãos de jornada, treinemos a caridade, fazendo o exercício da paciência e compreendendo que todos falhamos e um dia também vamos querer o perdão de nossas ofensas, afinal assim disse Jesus:

“Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como perdoamos aos nossos devedores… Pois, se perdoardes aos homens as suas ofensas, assim também vosso Pai celeste vos perdoará.”  (Mateus 6: 12 e 14)

Por Alexandra Paes 

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s